Displasia coxofemoral



A displasia coxofemoral canina é uma doença bastante comum, sendo caracterizada por uma má formação ou degeneração da conexão entre a cabeça do fêmur e osso que o une ao quadril.


Essa degeneração afeta a mobilidade do cão, podendo provocar dores na região do quadril, manqueira, artroses, atrofia muscular e, dependendo do grau de severidade da doença, o animal pode até sofrer com paralisias.


A displasia coxofemoral pode ser classificada por graus de severidade, tendo o Grau A (articulação coxofemoral normal), Grau B (articulações próximas do normal), Grau C (displasia coxofemoral leve), Grau D (displasia coxofemoral moderada) e Grau E (displasia coxofemoral grave).


Embora seja uma doença hereditária, ela também pode ser agravada de acordo com o ambiente em que o cão vive. Alguns fatores podem acelerar seu aparecimento e progressão, como pisos lisos, sobrepeso (obesidade), sedentarismo e atividades físicas em excesso.

A displasia coxofemoral pode afetar, na maioria dos casos, cães de grande porte como Golden Retriever, Rottweiler, Labrador, Pastor Belga, Pastor Alemão, São-Bernardo e Pitbull, mas também pode atingir cães de pequeno porte, como o Buldogue Francês.



Normalmente os sintomas aparecem entre 04 e 12 meses de idade, mas alguns cães podem apresentar os sintomas entre 04 e 06 anos de idade, evidenciando um quadro de artrose associado à doença.


Como resultado, cães que sofrem com a displasia apresentam muita dor e dificuldade para caminhar, o que afeta a sua qualidade de vida. Entre seus principais sintomas estão:


- Claudicação (cãibra);

- Andar rebolante ou enrijecido;

- Perda muscular nos membros pélvicos;

- Dor na manipulação do quadril;

- Apatia e perda de interesse em passeios;

- Quedas repetinas;

- Dificuldade de locomoção (em casos mais avançados, o cão pode inclusive parar de andar, embora consiga mexer as patas).


Quando a doença avança e não é tratada, os sintomas podem ser mais intensos e frequentes, fazendo com que o cão evite inclusive atividades normais de rotina, como sentar, deitar e levantar. Seu andar fica incomum e acaba desenvolvendo uma musculatura desproporcional por jogar todo o esforço para um lado do corpo em que não sofra tanto com a dor.



Apesar de não ter cura, existem diversos tratamentos que buscam minimizar a dor e o incômodo; sempre de acordo com o grau de desconforto, a idade e outras possíveis severidades clínicas do cão. Atualmente o tratamento mais indicado é a reabilitação e deve envolver terapias múltiplas, como a prática de fisioterapia, hidroterapia (natação), acupuntura, massoterapia e suporte analgésico.


Além disso, é importante promover mudanças na rotina do cão e preparar a casa para ele. Entre as recomendações mais frequentes estão:


- Alteração dos hábitos alimentares, para perda de peso;

- Uso de pisos antiderrapantes;

- Disponibilizar escadas ou rampas para o cão acessar locais mais altos, como o sofá e a cama;

- Suplementação com condroprotetores (medicações indicadas em casos de artrose);

- E, em casos muito graves, procedimentos cirúrgicos.


Portanto não se esqueça de realizar check-ups regulares e, ao perceber qualquer mudança nos hábitos e no comportamento de seu cãozinho, leve-o imediatamente ao veterinário!


__________________________________________________________________________________



Se o seu cão apresenta problemas comportamentais e você precisa de ajuda profissional, entre em contato com a gente. Atendemos presencialmente em Santo André e São Bernardo do Campo (SP) e online para qualquer lugar do mundo. Confira a nossa página de Serviços para mais informações.Quer saber mais sobre adestramento de cães e comportamento canino? Confira a seção Cursos do nosso site e faça a sua matrícula. Os cursos são online, com certificado, com suporte online integral realizado por um especialista em comportamento canino, e são teóricos (texto, imagens e infográficos), de forma que você pode ler e consultar conforme a sua disponibilidade.